terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Museu que não educa não é museu!

No discurso e na prática o compromisso com a educação é a diretriz que move a equipe do Museu Arqueológico de Sambaqui de Joinville. Os lemas “Educação para o povo” e “Museu que não educa não é museu” estão presentes na prática do MASJ desde que a instituição abriu suas portas em 1972. De lá para cá, as visitas monitoradas e os projetos educativos vem se aprimorando sempre com a missão de tornar visível e compreensível o patrimônio arqueológico que toda a cidade herdou dos povos passados. Neste ano, o Setor Educativo do Museu de Sambaqui atendeu mais de cem grupos promovendo 131 atendimentos especializados. O projeto de arqueologia experimental foi um dos destaques. Confira algumas imagens deste trabalho desenvolvido em 2014.






segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Muito Além dos Sambaquis!


Com este título Diretor a Equipe do Museu Arqueológico de Sambaqui de Joinville (MASJ) imprimiu SUAS Reflexões de na sexta edição da Revista MUSAS (Revista Brasileira de Museus e Museologia), Que ESTÁ Sendo DISTRIBUIDA nacionalmente Neste Mês de dezembro. O Artigo de 16 Páginas foi Desenvolvido pela educadora Flávia Cristina Antunes de Souza e Pelas monitoras Ana Cláudia Bruhmuller, Priscila Gonçalves e Terezinha Barbosa Contando a Experiência da Educação patrimonial Durante a Pesquisa e escavação na Alameda Brustlein, um popular, Rua das Palmeiras de Joinville. Com o título Muito Além dos Sambaquis : a publicização da arqueologia na Alameda Brustlein o Artigo E resultado das Trocas e atendimentos Realizados Cabelo Setor Educativo com Escolares e com a Comunidade que transitava Cabelo CRP Durante Uma escavação realizada em 2012. Por se TRATAR de hum Espaço Público tombado e caracterizado Como sítio arqueológico histórico, Todas Como ETAPAS DO PROJETO de requalificação da Alameda receberam monitoramento e salvamento arqueológico. Duas trincheiras de escavação foram Abertas em Diferentes Pontos da Calçada de UMA das Ruas Mais conhecidas da Cidade. Um dos principais Objetivos do Setor Educativo do MASJ foi Fazer com Que um patrimônio arqueológico Alameda fosse Reconhecida Como. O Trabalho mostrou que Além dos sambaquis, o MASJ também Atua na Pesquisa de Preservação de Sítios Históricos e que Estes Espaços São Fundamentos de Pará entendermos a Formação e Ocupação urbana da Nossa Cidade. Nºs PROXIMOS dias, o Blog disponibilizará o Artigo Pará consulta digital.




Ação de Educação Patrimonial

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Divulgando a Arte Rupestre

A equipe do Museu de Sambaqui acompanhou a entrevista da arqueóloga da Universidade do Recôncavo Baiano, Fabiana Comerlato, na Rádio Joinville Cultural. Fabiana está em Joinville como palestrante convidada do encerramento do curso de especialização em Arqueologia da UNIVILLE. A palestra será realizada nesta quinta, às 19h, no auditório da AMUNESC. O jornalista Jeferson Correa entrevistou Fabiana sobre o tema da arte rupestre no litoral catarinense. O curso de especialização da UNIVILLE é uma parceria da universidade com a prefeitura de São Francisco do Sul e teve como apoiadores o Museu Arqueológico de Sambaqui de Joinville e a Fundação Cultural de Joinville. Vinte especialistas estão sendo formados no curso, que é um dos pioneiros em Santa Catarina nesta área de estudos.


segunda-feira, 1 de dezembro de 2014


Palestra Sobre Arte Rupestre Marca Encerramento 
do Curso de Especialização em Arqueologia

A arqueóloga Fabiana Comerlato, da Universidade Federal do Recôncavo Bahiano (UFRB), é a pesquisadora convidada para a palestra de encerramento da pós-graduação em Arqueologia, promovida pela UNIVILLE. Esta é a primeira especialização com área específica em Arqueologia promovida no Estado e o curso se encerra neste mês com a entrega das monografias.

A iniciativa da especialização surgiu de uma parceria entre a UNIVILLE e a Prefeitura de São Francisco do Sul que disponibilizou bolsas de estudo e a UNIVILLE. Instituições, como o Museu Arqueológico de Sambaqui de Joinville (MASJ) e a Fundação Cultural de Joinville (FCJ) também foram parceiras do curso de pós-graduação, que prevê o ingresso de mais profissionais para atuar na pesquisa e na preservação do patrimônio arqueológico regional. 

Acervos de instituições, como o MASJ, estão ganhando novos estudos através de sete pesquisas de monografias. A parceria do MASJ e da FCJ durante a especialização possibilitou a disponibilização do acervo de coleções para uso didático em sala de aula, além do espaço expositivo do museu e de instituições, como o Arquivo Histórico de Joinville. O MASJ também tem apoiado a formação destes novos pesquisadores promovendo reuniões de grupos de pesquisa.. A palestra será realizada no dia 4 de dezembro, às 19h, no auditório da AMUNESC, na rua Max Colin. 





quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Consciência Negra






A equipe do Museu Arqueológico de Sambaqui de Joinville (MASJ) participou da homenagem aos descendentes afro sepultados no Cemitério dos Imigrantes de Joinville, nesta quinta-feira. Os educadores Gerson Machado e Flavia Cristina Antunes de Souza e os monitores Mateus Carle e Ana Claudia Bruhmüller representaram a equipe do museu na programação da 6ª. Semana Consciência Negra. O blog do MASJ deixa como sugestão para os leitores o Encontro de Grupos Afro, programados para sábado (22), às 11h, na praça do Mercado Público, e para domingo (23), no Parque da Cidade, das 10h às 14h.




Reencontro







O blog do MASJ registra a visita carinhosa de Marlene Eccel Zabel. Dona Marlene, como é conhecida pela equipe, trabalhou no museu entre 2007 a 2009. Para retribuir o carinho nada melhor do que um selfie em um dos jardins mais fotografados da cidade!

sexta-feira, 14 de novembro de 2014


Nova comunicação para o Morro do Ouro...


O Morro do Ouro, um dos sambaquis monumentais da nossa região, vai ganhar nova comunicação visual em breve. A equipe do MASJ está desenvolvendo em parceria com o IPPUJ novos painéis para o espaço. Peças do acervo estão sendo selecionadas para a produção de imagens. Confira este belo adorno ósseo, encontrado na pesquisa de salvamento de parte do sambaqui, durante a construção da Ponte do Trabalhador, em 1979.  A peça integra a coleção pesquisada pela arqueóloga Marilandi Goulart, que coordenou o projeto Tecnologia e Padrões de Subsistência de Grupos Pescadores-Coletores Pré-históricos, Habitantes do Sambaqui Morro do Ouro. Este projeto foi de salvamento, pois um dos objetivos era a liberação da área de acesso à Ponte do Trabalhador. O Morro do Ouro fica no bairro Guanabara e tem mais de 4 mil anos de história.




sexta-feira, 7 de novembro de 2014


Divulgando os Sambaquis da Cidade


Nesta semana, a equipe do Museu Arqueológico de Sambaqui de Joinville participou da reportagem do Jornal do Almoço sobre o bairro Guanabara, que concentra três sambaquis. O Morro do Ouro, o Guanabara I e II são os sambaquis mostrados na reportagem, que teve a participação da arqueóloga do MASJ, Beatriz da Costa Ramos.

Segue o link abaixo, para você conferir.



Mapa Novo no MASJ

Um mapa com dimensões de 2m por 2m30 também é outra novidade na exposição do MASJ. Venha conferir os sambaquis concentrados na região urbana e veja se eles estão próximos da sua casa. Na mesma exposição, você também pode conferir um vídeo que mostra uma projeção do crescimento urbano no entorno dos sambaquis Espinheiros II e Rio Comprido.




sexta-feira, 11 de julho de 2014

Horário de Funcionamento

Conforme determinação da FUNDAÇÃO CULTURAL DE JOINVILLE, informamos que devido ao jogo do Brasil que acontecerá na data de 12/07/2014 (sábado), 
o horário de funcionamento dos museus será das 10h às 16h, extraordinariamente.

Agradecemos a compreensão.
Atenciosamente, 


terça-feira, 20 de maio de 2014

Guilherme Tiburtius – muito a descobrir

Desde 2012, o MASJ vem trabalhando no projeto de salvaguarda do Acervo Histórico da Coleção Guilherme Tiburtius. O acervo documental, com boa parte dos originais doados pela família Tiburtius, reúne fotografias, fichas, cadernos de registros de peças, textos manuscritos e até aquarelas. Documentos inéditos e preciosos que em breve poderão estar disponíveis para a pesquisa e ações de comunicação museológica. O objetivo é reunir, reproduzir e traduzir do alemão para o português o trabalho deixado por Tiburtius. Todo o processo de curadoria já foi realizado e até o momento 111 páginas já foram traduzidas para o português.



sexta-feira, 16 de maio de 2014

Programa para fim de semana

Uma das novidades do MASJ neste mês de maio é a Sala de Provocações. A exposição sensorial está aberta ao público e propõe uma reflexão sobre o tema Comunicação. A proposta é que o visitante fique com olhos vendados para explorar, através do tato, os objetos dispostos nas paredes e na bancada. Além de estimular a memória, através da percepção tátil, a provocação também é se colocar no lugar de alguém com deficiência visual.

Tramas e experimentações 
                     
Nesta semana, o MASJ recebeu mais uma turma de alunos da Casa da Cultura para um aprendizado dentro do museu. A oficina de cestaria, realizada na última quinta no espaço de experimentação,  mostrou algumas possibilidades de criação e confecção de cestarias, a partir de fibras vegetais, pigmentos naturais e de papéis.




quarta-feira, 14 de maio de 2014

Conexão MASJ


video

Revisitando o MASJ

Nos últimos dias, o Museu de Sambaqui  tem recebido amigos de longa data.  Parceiros com boas histórias e muita sabedoria  sempre nos trazem alegrias e ideias para pensarmos o nosso trabalho. A arqueóloga do Museu Paranaense, Claudia Parellada,  esteve no MASJ para visitar a exposição permanente e também acompanhou a preparação do sambaqui para a arqueologia experimental .  O museólogo da Universidade Federal de Pelotas, Diego Lemos Ribeiro, e o historiador e arqueólogo, Afonso Imhof,  também enriqueceram a nossa semana com uma boa conversa no jardim do museu. As educadoras do Museu Nacional de Imigração e Colonização, Giane Maria de Souza e Elaine Machado, estiveram no MASJ para visitar a Sala de Provocações. Até companheiros de outros tempos, como o monitor voluntário Pedro Ferreira,  apareceram no MASJ para nos deixar um abraço carinhoso. Na imagem, Pedro com a monitora, Giana Maciel Wiest, e com a educadora, Flavia Cristina Souza. Boas lembranças, memórias para sempre!



Uma Noite no Museu

Mais do que diálogos, novas conexões. O colóquio do MASJ realizado na noite de segunda (12) foi uma boa troca de saberes, com uma conversa dinâmica e descontraída entre o museólogo da Universidade Federal de Pelotas, Diego Lemos Ribeiro, e os alunos do curso de História da UNIVILLE.  Veja nas fotos alguns momentos dessa noite.


segunda-feira, 12 de maio de 2014

Conexões e experimentações no MASJ

Coleções criam conexões. O Museu Arqueológico de Sambaqui de Joinville (MASJ) organizou uma programação especial para a 12ª. Semana dos Museus. Um  colóquio, uma exposição sensorial, uma janela caleidoscópica e uma atividade de arqueologia experimental.    A proposta é explorar o acervo e os trabalhos do MASJ na difusão de conhecimento para públicos distintos.
O colóquio, por exemplo, que costuma ser um evento direcionado ao público acadêmico, vai atender uma turma de alunos de graduação do curso de História da Univille. O convidado é o professor e pesquisador Diego Lemos, da Universidade Federal de Pelotas, que junto com a equipe do MASJ, vai interagir com os acadêmicos no espaço da exposição nesta segunda (12), a partir das 19 horas.
Para o público em geral, o MASJ convida a comunidade para visitar a Sala de Provocações, uma proposta sensorial sobre o tema comunicação através do tempo.  O visitante, privado do sentido da visão, será convidado a utilizar seus outros sentidos para explorar os elementos dispostos nas paredes e bancadas no ambiente.  

Temática indígena para reflexão

Outra proposta para a Semana dos Museus é a Janela Caleidoscópica, que está integrada ao espaço da exposição permanente do MASJ. A intenção é estimular uma abertura sobre o acervo da instituição, que reúne 40 mil peças, muitas delas, nunca expostas ao público. A janela é um expositor com peças, imagens e textos, que será renovado periodicamente. Inicialmente, a temática indígena compõe a janela, com a exposição de uma escultura de madeira e cestarias, peças que integram a Coleção Guilherme Tiburtius.  
Embora, a sociedade pré-histórica dos construtores de sambaquis seja anterior à cultura indígena, o estudo sobre os usos e costumes dos índios são referências importantes para a arqueologia interpretar o passado. Muitos trabalhos artesanais, como a confecção de cestarias, por exemplo, são tradições milenares que vem sendo transmitidas desde os povos pré-históricos.
               
Arqueologia experimental

Para o público escolar que participa dos projetos educativos do MASJ, a atividade programada para a Semana dos Museus é a vivência de uma escavação arqueológica. A intenção é ensaiar uma experimentação no jardim do museu, onde foi construído um pequeno sambaqui experimental.       
Diversos artefatos foram enterrados para serem escavados e interpretados pelos estudantes. Além de estimular a compreensão da preservação de um patrimônio e das etapas de um trabalho arqueológico, a experiência quer reforçar o entendimento da diversidade de ocupação do território de Joinville e da cultura material como fonte de conhecimento.
A programação do MASJ nesta 12º. Semana de Museus traz como objetivo principal estimular o público visitante para outras vivências e novas conexões com o acervo da instituição. Muitas atividades, como a visitação na Sala de Provocações, a Janela Caleidoscópica e Arqueologia Experimental serão realizadas durante todo o mês de maio.  Os interessados na arqueologia experimental devem agendar estas atividades com o setor Educativo, através do 3433-0114. 


quarta-feira, 7 de maio de 2014

Inspiração artística


A sensibilidade e o apuro estético dos sambaquianos motivaram os alunos do curso de Pintura da Escola de Artes Fritz Alt da Casa da Cultura. Nesta quarta de manhã, os zoólitos foram a inspiração para a turma exercitar o desenho das formas e da tridimensionalidade.  A aula do professor Luciano Costa Pereira foi realizada dentro do MASJ, com apoio dos setores Educativo e de Museologia, e os alunos puderam manusear as esculturas em pedras no formato de animais.




segunda-feira, 5 de maio de 2014

Olhares contemporâneos para arte pré-histórica

Nesta quarta-feira (7 de maio) de manhã, os alunos do curso de Pintura da Escola de Artes Fritz Alt, da Casa da Cultura, vão explorar a arte milenar e pré-histórica dos zoólitos que compõem o acervo do Museu Arqueológico de Sambaqui de Joinville.  Produzidas pelos construtores de sambaquis, os zoólitos são esculturas feitas em pedras no formato de animais e que surpreendem pela riqueza de detalhes e acabamento.  “Uma arte que merece ser observada", destaca o professor Luciano da Costa Pereira, que propôs aos alunos uma atividade de observação das formas, da tridimensionalidade e esboço de croquis. Sob a supervisão da equipe do MASJ, os alunos vão usar luvas e máscaras para manusear algumas peças. A aula de artes será realizada dentro da exposição do MASJ, pois o objetivo é promover diálogos e reflexões entre o passado e o presente.   




Arqueologia Experimental


Para o público escolar que participa dos projetos educativos do museu, a vivência de uma escavação arqueológica será realizada no sambaqui experimental, construído no pátio interno do Museu Arqueológico de  Sambaqui de Joinville. A equipe do MASJ preparou a área e diversos artefatos foram enterrados para serem escavados e interpretados pelas crianças. A atividade integra a programação do Museu de Sambaqui para a 12ª Semana dos Museus, que ocorre entre os dias 12 a 18 de maio, e deve ser agendada no setor Educativo. Informações: 3433-0114.






quinta-feira, 1 de maio de 2014

O horário de funcionamento da Exposição para este feriado, ponto facultativo e final de semana, informamos:


Quinta-feira a Domingo (01 a 04 de maio): Aberto das 12h as 18h.

Segundas-feiras: Fechado para limpeza e manutenção da exposição.

sexta-feira, 25 de abril de 2014



Arqueologia Experimental

Uma das programações do MASJ para a 12 Semana de Museus, que ocorre entre os dias 12 a 18 de maio, será a atividade de Arqueologia Experimental. O espaço do sambaqui experimental, construído dentro do pátio do museu, está sendo preparado para simular uma vivência de escavação arqueológica.  Diversos artefatos vão ser enterrados para serem escavados e interpretados pelos estudantes. Além de estimular a compreensão da preservação de um patrimônio e das etapas de um trabalho arqueológico, a experiência quer reforçar o entendimento da diversidade de ocupação do território de Joinville e da cultura material como fonte de conhecimento. Na imagem, a educadora Ingrid Muniz prepara o espaço com uma paisagem de ambientação. Depois de realizarem a atividade, os escolares também poderão produzir seus registros, sejam imagens ou textos.

 


Escolas
Mais de cem estudantes do ensino fundamental participaram do projeto Educativo do MASJ nesta semana.  A Escola Municipal Rosalvo Fernandes, de Araquari, a Escola do SESI de Brusque e o CAIC Francisco José de Oliveira, de Joinville, vieram até o museu para ampliar o conhecimento sobre os sambaquis e a importância da preservação dos nossos patrimônios.  Para fazer um bom atendimento às escolas, o setor Educativo trabalha com agendamento, que pode ser realizado através do telefone (47) 3433-0114.



Horário de atendimento para o Final de Semana
Sábado e Domingo - 12h as 18h
Segundas-feiras - Fechado para limpeza e manutenção
Entrada Franca
 

quinta-feira, 17 de abril de 2014



Projetos Educativos

“Uma troca de saberes muito produtiva”, resume a monitora do MASJ, Tere Barbosa, sobre o atendimento realizado na noite desta última terça –feira (15), com o grupo de alunos do curso de História da Arte da Casa da Cultura.  Durante quase 3 horas, o grupo aproveitou para explorar as informações da exposição, além das dinâmicas realizadas pelo projeto educativo, como as localizações dos sambaquis na cidade e o manuseio de amostragens de materiais líticos, de fauna e de  ossos humanos, que costumam ser coletados no trabalho arqueológico. O atendimento de grupos, em horários diferenciados, pode ser feito pelo MASJ, contanto que seja feito um agendamento com antecedência. Informações 3433-0114.

 
Ainda nesta semana, o MASJ também recebeu 17 alunos da Escola Municipal Dom Jaime de Barros Alcântara. Localizada perto do sambaqui Rio Comprido, no bairro Comasa Boa Vista, a escola tem no seu histórico uma participação ativa na preservação do patrimônio arqueológico.  Por muito tempo, a área do entorno do sambaqui foi utilizada para atividades educativas e sociais do bairro. Bons tempos, que devem ser resgatados!




Relembramos o horário de funcionamento para este final de semana de feriado:
Sexta-feira: Fechado
Sábado e Domingo: Aberto das 12h as 18h
Segundas-feiras: Fechado para limpeza e manutenção da exposição.

quarta-feira, 9 de abril de 2014